Era uma noite quente de verão quando tudo aconteceu. Eu estava sozinha em casa, tentando me concentrar em um livro quando ouvi um barulho estranho vindo da janela do quarto. Com medo, fiquei paralisada, sem saber o que fazer.

Então, vi ele. Um ladrão magro e alto, segurando uma mochila cheia de objetos valiosos. Ele percebeu que eu estava observando-o e apontou uma arma em minha direção. Eu fiquei congelada, sem saber o que fazer.

Mas algo dentro de mim se mexeu quando eu olhei em seus olhos. Havia algo diferente nele, algo que me atraiu. Talvez seja porque nunca fui do tipo que se importa com dinheiro ou posses. Talvez seja porque senti sua dor, sua solidão e sua necessidade desesperada de encontrar uma saída.

O fato é que eu me apaixonei por ele naquele momento. E enquanto ele vasculhava a casa em busca de mais objetos de valor, eu senti uma emoção que nunca tinha sentido antes.

Não sei quanto tempo ele ficou na casa, mas parecia uma eternidade. Ele mexeu em tudo, levou tudo o que podia carregar. Mas quando finalmente foi embora, não senti tristeza. Sentia uma emoção indescritível, misturada com coragem, liberdade e amor.

Eu não entendia o que estava acontecendo comigo. Como poderia alguém se apaixonar por um ladrão? Era insano, absurdo, mas eu não podia negar o que sentia. Eu precisava saber quem era aquele homem, o que aconteceu em sua vida para ele se tornar um criminoso.

Foi então que comecei a segui-lo, discretamente, a uma distância segura. Eu o observava de longe, esperando que ele não percebesse minha presença. Ele me levou a lugares que nunca tinha visto antes na cidade, becos escuros, bares suspeitos, ruas estreitas. Cada vez que o via, sentia uma emoção ainda mais forte.

Finalmente, um dia, eu decidi me apresentar. Falei com ele, disse que sabia o que ele tinha feito, mas que ainda assim eu o amava. Ele ficou confuso, atordoado, mas também surpreso. Foi aí que nos beijamos pela primeira vez, naquele beco escuro e sujo, sob a luz da lua.

A partir daí nossa vida mudou. Eu não parecia mais uma vítima, e ele não parecia mais um criminoso. Éramos apenas dois jovens tentando sobreviver em um mundo de perigos e desafios. Viajamos juntos, conhecemos pessoas interessantes, dormimos em hotéis baratos e descobrimos que a verdadeira riqueza vem da liberdade.

Eu continuo sendo sua fã número um, seu ladrão favorito, mesmo que muitos não entendam nossa história de amor. Eu não o julgo, não tento mudá-lo, apenas o amo do jeito que ele é. E, de alguma forma, isso faz toda a diferença.